domingo, 21 de maio de 2017

Trupeiros pernas de pau

Hoje o treino foi simples e produtivo
começamos com um alongamento conduzido pela Dris, depois fizemos um treino rotineiro de abdominais:
- 40 abdominais curtinhas
- 20 canoinhas
- 2x20 canivete alternado
- 30 remador
- 20 com a perna esticada para cima
- pranchas laterais e frontais 2x1min cada.
em seguida fizemos uma pausa para o lanche e passamos para um treino específico de circo abordando as técnicas de acrobacia solo, malabares, monociclo e perna de pau.

No circo e nas atividades lúdicas, perna de pau é o nome que se dá ao equipamento "em que os praticantes alteram sua estatura normal utilizando basicamente um aparelho também conhecido como perna de pau. No entanto, não se exclui a possibilidade de utilizar outros aparelhos ou objetos materiais que permitam estas modificações de altura.", como define Marco Antônio Coelho Bortoleto

                                    Treino de perna de pau e malabares. Foto: Monstro

domingo, 14 de maio de 2017

Circo com Graffiti =D

       Hoje o treino foi dividido em duas modalidades
algumas pessoas ficaram trabalhando com a linguagem do graffiti e outro grupo ficou fazendo um trabalho de fortalecimento corporal para acrobacias de solo.
       O trabalho de Graffiti da trupe pode ser acompanhado nesse blog: http://trupesacrew.blogspot.com.br que trata especificamente do trabalho de arte urbana da "Trupe Por um Fio" sob a alcunha de "Trupe Sociedade Anônima Crew."
      Já sobre o treinamento corporal, acreditamos que a manutenção do corpo é uma questão valiosa para o grupo, pois um corpo ativo e uma mente saudável que possibilitam  uma vivência mais intensa das técnicas circenses. O treino durou mais do que o previsto, um dia cheio de flexões, cores, paradas de mãos, sprays, mortais e hip hop tocando sem parar.
                                            Dris Alongando.  Fotografia "Circa"
                                           Graffiti em processo. Fotografia "Circa"
                                             Graffiti Finalizado. Fotografia "Circa"

domingo, 7 de maio de 2017

vamos lá mais uma vez...

Depois de uma longa pausa nas postagens deste blog voltamos a compartilhar nossas vivências artísticas com todos vocês.

Hoje foi um dia meio chuvoso mas no horário de treino o céu nos brindou com uma noite estrelada e uma lua crescente brilhante.
Fizemos um treino de manutenção, Cristian Paz conduziu o alongamento com princípios utilizados na dança e depois fizemos um treino coletivo e autônomo de força.

Também discutimos como conduzir o projeto "Rede Coletivos de Expressão", para o qual fomos selecionados esse ano por meio de edital, desenvolvido pelo Laboratório de Empreendimentos Criativos - LECRIA, uma iniciativa do Programa Jovem de Expressão gerido pelo Instituto Caixa Seguradora e pela Rede Urbana de Ações Socioculturais.
E por fim fizemos um treino livre e descontraído de técnicas circenses variadas.


quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Nego d' água (2013)

Sim, a Trupe também faz filmes! Essa série de três curtas em stop motion foi feita quando tivemos um projeto aprovado pelo Ministério da Cultura, no Edital Mais Cultura - Microprojetos da Bacia do Rio São Francisco.  Planaltina-DF faz parte dessa bacia, com as Águas Emendadas, nascentes que mais para a frente ajudam a compor o Velho Chico.

Nosso projeto: "Águas Animadas: curtas de animação sobre a bacia Rio São Francisco", três curtas feitos em stop motion (que é um tipo de animação quadro a quadro onde fotografamos cada "frame, ou seja, cada pequena mudança na cena e depois montamos para virar um filme), que possam compor uma mini-mostra a ser exibida em escolas, incentivando a conversa sobre o meio ambiente, a sustentabilidade e o próprio local onde se vive. Os filmes estão disponíveis em nosso canal no YouTube: https://www.youtube.com/user/trupeporumfio

Esse aqui conta a história do Nego D'água, homem que protege os rios de todos os perigos, inclusive dos homens se eles forem abusivos. A Trupe fez tudo: desde a concepção até a sonoplastia; nossa equipe: Cristian Paz, Diogo Oliveira, Iasmim Kali, Luciano Czar, Matheus Ribeiro e Wandré C. Silva.

Nota: Mundo Cão Filmes e Estúdio Heyokah são os aspectos cinematográficos e de design da Trupe Por um Fio. Na época havíamos criado essas divisões, pela vontade de fazer filmes e design, além do circo. Hoje optamos por usar a marca Trupe Por um Fio para todas as nossas criações, de qualquer área do conhecimento, por reconhecer que elas são muitas vezes indivisíveis, e complementares. E que uma Trupe, no fim das contas, é um punhado de artistas trabalhando juntos, seja o que for que inventemos de fazer da próxima vez!

Iasmim Kali

quarta-feira, 27 de julho de 2016

Novo espetáculo



A Trupe está participando, desde o início deste ano, do Projeto Incubadora de grupos, do Espaço Cultural Pé Direito. O espaço fica na Vila Telebrasília e também é sede da Trupe de Argonautas. O projeto de incubação prevê espaço para ensaio e apoio técnico e financeiro para grupos iniciantes que trabalhem com mistura de linguagens (no nosso caso, circo, teatro, dança e música). Como resultado final, a apresentação de um espetáculo original. Nos apresentaremos nos dias 8, 9 e 10 de setembro. Vamos contar como está sendo esse processo colaborativo.

O ensaio de hoje rendeu muito. Foi bem proveitoso, pois todos apresentaram seus números e tivemos dois convidados especiais: Taiana, da Mitema Projetos Culturais e Soluções Sustentáveis e Daniel Lacourt, do coletivo Instrumento de Ver.

Começamos com um pique-tapa para aquecer: é um tipo de pique-pega onde, para não ser pego, você pode gritar o nome de outra pessoa da sala, que vira o pego (ou pegador) em seu lugar. Quem não for rápido o bastante leva o tapa, e vira o pego. Depois de um tempo, cada um começa a desenvolver sua própria estratégia de jogo. Só não vale gritar o nome de quem já está te perseguindo!

Depois fizemos um exercício que exige concentração e visão periférica aguçada: jogo de bastões, em círculo. Começamos com um, aumentamos a velocidade e depois adicionamos mais um. Caso o bastão caísse no chão, todos deviam pagar 10 flexões. No fim do exercício, havíamos feito 100 flexões! E  saímos bem mais concentrados. 

Cada um fez então seus alongamentos individuais e partimos cada um para seu aparelho: Drisana e Marley no trapézio, Dudu no tecido acrobático, Elisa na lira, eu no tecido, Ju Bê no trapézio, Mari Helou no banquinho chamado Bernardo, Mari Camargo no seu trapézio-corrente-marinho, a Joana D’Arc, Matheus no solo, Nancy e Nina também no solo, Nick no tecido. 

Em seguida, iniciamos as apresentações, bem na hora que o Daniel chegou. Algumas pessoas apresentaram pela primeira vez para o grupo, outras pela segunda. Muitas coisas novas, surpresas, e já houve mudanças do último ensaio para hoje. Aos poucos os números estão se acertando. Ao final nos reunimos para ouvir os comentários valiosos do Dan e trocar algumas ideias entre nós. Começam a surgir ideias de sonoplastia, de figurino...

Terminamos todos bem encaminhados, cansados, com a vontade de continuar ensaiando para limpar bem cada detalhe do número, tirar o que sobra, e enfatizar o que funciona bem. Agora começamos a visualizar o espetáculo se formando: um amálgama das formas peculiares com que cada um de nós entende e interpreta a violência. Do horrendo ao sutil. Aguardem novidades!
Os ensaios continuam! Foto de Iasmim Kali

domingo, 3 de agosto de 2014

Treino de 03 de agosto de 2014

Hoje o ensaio foi dividido em três partes. Na primeira, Luciano passou alongamentos e um exercício em duplas, onde o objetivo era integrar os seus movimentos aos do outro. Uma variação era atravessar o espaço movimentando-se com a dupla. Depois, atravessamos o espaço com várias flexões e pulos, e caminhando na parada de mãos (com ajuda da dupla!). Quem ainda não conseguiu esse último, treinou parada de mãos na parede, tentando deixar as mãos bem juntas da parede e as costas retas.

Na segunda parte, Nick passou uma série de exercícios para criação de sequências. Em um deles, ficam todos em círculo, em pé, e estabelecemos contato visual com alguém, trocando de lugar com a pessoa logo em seguida. Numa evolução desse exercício, ao trocar de lugar a dupla realizava um giro no centro da roda, segurando-se pelo braço, e completava a caminhada. Depois, caminhando pelo espaço, ao trocar olhares com alguém, girávamos juntos e continuávamos a caminhada. Uma variação do giro era fazê-lo utilizando o ombro como ponto de contato, e, posteriormente, qualquer parte do corpo. Importante: contato visual primeiro, giro depois. Em seguida, definimos duplas e girávamos só com essa pessoa. O próximo passo foi movimentar-se livremente com a dupla, sendo um em nível baixo e outro em nível alto; experimentamos trocar de nível e movimentar-nos perto e longe da dupla, sempre mantendo contato visual. depois, outra sessão de atravessar o espaço dessa forma, alternando níveis e experimentando movimentos em conjunto.
Novamente em círculo, dessa vez agachados, uma dupla ou trio estabelecia contato visual e entrava na roda, movimentando-se em conjunto sem se tocar. Por fim, um exercício de contato,em duplas: um deitado de bruços sobre o outro, sem apoiar na cabeça, ombro, joelho e pé (joelho e pé!), o de cima explorando movimentações sobre o corpo do outro.

Na terceira e última parte, Cristian relembrou conosco as duas sequências do treino passado. Em seguida, pediu para que fizéssemos cinco movimentos cotidianos, que foram os seguintes: lavar a louça, arregaçar as mangas, abrir a porta, mandar mensagem pelo celular e andar de bicicleta. O próximo comando era atravessarmos o espaço durante o tempo de uma música (5 minutos), explorando esses cinco movimentos. Sem voltar atrás no espaço nem no movimento anterior. E todos mudando de movimento mais ou menos ao mesmo tempo. Demoramos duas músicas, uns 9 minutos, e depois refizemos o exercício, dessa vez em 5 minutos e podendo voltar ao movimento anterior. Com mais liberdade, criamos em cima dos movimentos, sozinhos, em dupla, nos diversos níveis. Legal como uma ação cotidiana pode inspirar tantos movimentos!
Ao final, Cristian conversou sobre algumas mudanças no roteiro, iniciamos a conceituação do figurino e como lição de casa ficou a pesquisa para o personagem de cada um!

Até a próxima!

sábado, 18 de janeiro de 2014

Treino do dia 16/01/2014

Neste dia fizemos um treino ao modo dobradinha, sendo primeiro o treino do espetáculo de bonecos "O Avesso da Cartola" e em seguida do espetáculo de dança.
Começamos o treino com exercícios de aquecimento/alongamento do objeto cênico do espetáculo de bonecos, o próprio corpo, pois se trata de um espetáculo de teatro de boneco corporal. Em seguida começamos alguns exercícios de foco, que é um dos pontos essenciais na manipulação de bonecos e foram acrescentados a interação cênica entre os objetos(partes do corpo) manipulados. Num momento seguinte houve a criação de bonecos com utilização de objetos, ainda levando em consideração o foco, mas agora o exercício também dava importância ao trabalho de sincronia do grupo. Ao fim deste ensaio nos focamos em algumas mágicas como exercício de possíveis criações de cena e as mesmas foram apresentadas por fim ao "diretor" Luciano Czar.
Alguns minutos após o treino de bonecos veio o treino do espetáculo de dança. Contando com o mesmo coeficiente de integrantes do treino anterior, iniciamos com o tradicional aquecimento de sebo nas canelas(nas coxas, nas costas, enfim, no corpo todo) e alongamento, pra não perder o pique. E o propositor dos exercícios de dança, e também "diretor" Cristian Paz, começou a nos passar uma série de exercícios de dança, percepção do corpo,  das movimentações do corpo, de interação com o outro e com o público. Fizemos uma conversa entre nós com debates sobre os exercícios e as percepções de cada presente foi ouvida e complementada/agregada ou debatida.
Cada treino tem sido um aprendizado enorme, visto que não entendo quase nada de dança e vejo o saldo do treino de forma positiva.


Observação pessoal.: quando grifo entre aspas o termo diretor, quero dizer que é quem propõe-se como diretor(a) do espetáculo, mas que ao mesmo tempo o que ocorre é um processo conjunto de criação e direção.